Redigido em Brasília, trata-se do texto que concebi para os cursos de Filosofia do Direito que leciono. A obra é anti-fundacionalista e pretende crítica à metafísica que informa nossa tradição normativa. Heidegger, Nietzsche, Foucault e Derrida são os autores pesquisados. O texto se presta também para referenciar estudos de hermenêutica e de técnicas de trashing e de desconstrução. Abordo pela primeira vez o pensamento de Pierre Schlag, talvez o mais agressivo dos pensadores críticos que há hoje, e que é desconhecido no Brasil. 184 p. Editado por Sergio Antonio Fabris, de Porto Alegre.